TXkee3kP11b9iCxQNaAzgCv06fcYr0PwaUyv0L0R

Popular

Report Abuse

Contributors

Search This Blog

Arsip Blog

About Us

MWp8NWNaLGp5LGR5NWJdNGF8MCAky7cowTkiwWJ5

Comments

Subcribe Now

Subscribe New Articles

Subscribe to Our Newsletter for Get Quality Updates on Your Email. It's Free!

Latest Posts

Fluido de arrefecimento - a evolução

Não quer ficar de cabeça quente com seu carro? Então saiba que ele também não gosta de esquentar. É por isso que existe o fluido de arrefecimento.

Esse líquido percorre a estrutura do motor por galerias internas, mantendo sua temperatura de trabalho estável. Essa temperatura ideal fica em torno de 90°C. Caso fique abaixo, o consumo de combustível pode aumentar além da conta. Se ficar acima, pior, o motor pode fundir.

Estrutura

Os fluidos de arrefecimento são compostos por etileno ou propileno glicol, que garantem a proteção contra o congelamento ou a ebulição, mantendo as propriedades de transferência de calor.

Evolução

A novidade recente é o lançamento de um fluido de arrefecimento de vida longa. Essa nova tecnologia, também chamada de OAT (ácido orgânico), possui boas vantagens em relação ao fluido convencional. A primeira: seus inibidores de corrosão ampliam o tempo de vida do produto. Enquanto os fluidos convencionais usam aditivos inorgânicos para conseguir proteção contra corrosão, o novo incorpora sais de ácidos orgânicos, que aumentam essa proteção.

Assim, o tempo de vida do fluido OAT é, para carros de passeio, em torno de cinco anos ou 150 mil quilômetros. Em veículos pesados, com motorização diesel, esse fluido passa dos 300 mil quilômetros. Já no fluido convencional, não costuma passar de três anos, no máximo, devido justamente à deterioração dos inibidores de corrosão.

Cada um, cada um

Como a composição química entre as tecnologias é diferente, não é aconselhável misturar os dois produtos. Embora a parte principal (anticongelante/antifervura) seja compatível, os inibidores não funcionam juntos. Completar o nível do reservatório que usa o fluido de vida estendida com um convencional diluirá os inibidores de corrosão orgânicos, reduzindo a vida útil do líquido de arrefecimento.

Se você quiser trocar o fluido convencional pelo de vida estendida, primeiro providencie uma limpeza do sistema, removendo todo fluido antigo antes de encher com o novo. Assim você garante todos os benefícios que a evolução da tecnologia já está oferecendo ao seu carro. E não terá motivos para esquentar a cabeça.

Fonte: CESVI BRASIL - Centro de Experimentação e Segurança Viária

SHARE

Related Posts

Subscribe to get free updates

Post a Comment

Sticky